Quando olha para estas fotografias, vê um homem ou uma mulher?

02/01/2017 - 15h00min - Por Alexandra Duque
COMPARTILHE
FACEBOOK Twitter



Os atores Paulo Pires e Filomena Cautela, fotografados por Telmo Ferreira | João Telmo.

Homens em mulheres e mulheres em homens. As fronteiras do género foram desafiadas por João Telmo, diretor artístico da exposição "Gineceu Androceu". Em entrevista à RTP, o diretor partilha alguns dos retratos e revela que o conceito segue para o Brasil. Parte das receitas revertem para a ABRAÇO.

O género, tal como a beleza, pode ser diferente dependendo dos olhos de quem vê? Os 20 retratos da exposição "Gineceu Androceu" sugerem-nos que sim. São 20 atores que aceitaram o convite de João Telmo, encenador e diretor artístico do projeto, e vestiram a pele de uma figura do outro género. 

Os retratos estão em exposição na Galeria Art Lounge, em Lisboa, desde o princípio do ano e lá ficarão até 31 de dezembro. Mas há uma novidade: o projeto será recriado no Brasil, com atores brasileiros, avança João Telmo à RTP. A atriz Zezé Motta já está confirmada e o ator Henri Castelli está quase confirmado.



Maya Booth e Diogo Amaral  

Entre os atores que já posaram para a objetiva de Telmo Pereira estão Diogo Amaral, Benedita Pereira, Soraia Chaves, São José Correia e Paulo Pires. Os figurinos foram concebidos por João Telmo mas, na execução, contaram com a ajuda de designers portugueses. Diogo Amaral, por exemplo, veste uma criação de Miguel Vieira e Paulo Pires (em cima) posa com um vestido da dupla Storytailors. 


Vera Kolodzig e Manuel Moreira 

Mas, afinal, de onde veio esta ideia? "Surgiu em 2014, quando me encontrava no Camboja a fazer voluntariado e levei comigo o livro "Gender Trouble", da filósofa norte-americana Judith Butler. Identifiquei-me bastante com a noção do género como sendo algo performativo. Peguei nessa ideia e transportei-a para a fotografia de moda, uma área que, desde sempre, faz parte do meu trabalho como ator, encenador e figurinista", conta João Telmo à RTP. 

"A feminilidade não pertence só às mulheres nem a masculinidade só aos homens", defende João Telmo.

Nas fotografias é visível a androginia e a mistura de elementos femininos e masculinos. A ideia é precisamente contrariar os conceitos restritivos sobre o que é um homem e o que é uma mulher, explica João Telmo. 

O próprio nome da exposição,"Gineceu Androceu", espelha essa mistura: "O nome vem diretamente do sistema reprodutor das plantas, que têm o lado feminino (gineceu) e o lado masculino (androceu). No fundo, acaba por ser uma metáfora para aquilo que quero transmitir com esta exposição. A feminilidade não pertence só às mulheres nem a masculinidade só aos homens", realça.


São José Correia e Inês Castel-Branco


"O que pretendo não é criar uma fotografia naturalista, mas sim apresentar um homem que, estando vestido de mulher, incorpora essa feminilidade, mas não liberta o facto de ser um homem. Ou uma mulher que apresenta sinais de masculinidade, mas que não deixa de ser mulher", explica o diretor artístico.


João Telmo e Soraia Chaves


As fotografias expostas em Lisboa não são para ficar naquele espaço. São para levar para casa. O objetivo é que o público compre os retratos e 30% das receitas revertem para a Associação de Apoio a Doentes HIV - Sida (ABRAÇO). 


Benedita Pereira e Romeu Costa


Agora, conta João Telmo à RTP, o projeto segue para o Brasil. Além de Zezé Motta, estão já confirmados os atores portugueses Alexandra Lencastre e Pedro Carvalho, "devido à forte ligação que têm com o Brasil", explica. Henri Castelli está quase garantido e estão a ser feitos mais contactos, tanto para atores que irão posar como para designers que desenhem as peças. 

Depois do Brasil, o conceito segue para Espanha, Madrid e talvez para Nova Iorque. Assim é o desejo de João Telmo. A ideia vai manter-se, só mudam os rostos e os corpos.

Via:
RTP Notícias

Outras Notícias
© 2016 Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Ydeal Tecnologia