Com esta técnica suas fotos de cachoeira irão parecer pinturas, sem precisar de edição

14/09/2016 - 02h31min - Por
COMPARTILHE
FACEBOOK Twitter

Foto: Gabriel Camillo - Canon T3i - f/22 - 1.3s

Você já se deparou com alguma imagem que parecia ser uma pintura, mas o autor(a) jurava ser uma fotografia? Pois bem, antes de aprender a técnica que iremos discutir aqui, eu desconfiava quando pesquisava sobre imagens relacionadas ao assunto, sempre tinha aquela pontinha de dúvida: será que isso é real?
Cachoeiras são lindas e magníficas, isso vale para os mais diversos tipos de quedas d’água, porém, às vezes não conseguimos fotografá-las de um modo “fora dos padrões”, queremos algo mais profissional para realçar a beleza da natureza, a pureza daquele momento.

Foto: Gabriel Camillo - Canon T3i - f/5.6 - 3.2s - ISO 400 (Balneário Camboriú - SC)

Se você possui uma DSLR, ou algum outro tipo de câmera aonde seja possível realizar ajustes manuais, é possível obter resultados interessantes. Basicamente, para obter o resultado parecido com o de uma pintura, você precisa fotografar em baixa velocidade, mas primeiro vamos pensar em alguns detalhes: se a foto for de dia, usar baixa velocidade/tempo fará com que sua imagem fique estourada, para isso então precisamos utilizar o menor ISO e a menor abertura possível do diafragma (maior f/x). Comece com pequenas quedas d'água, ou até mesmo com torneira ou mangueira em casa, apenas para entender como o processo funciona:

Foto: Gabriel Camillo - Canon T3i - f/16 - 0.8s - ISO 100

Testes sempre serão necessários, acertar de primeira é difícil, então você pode, por exemplo, colocar o ISO em 100 + 2”5 + f/11, e de acordo com as necessidades você vai alterando o que for preciso. Na legenda das imagens desta matéria nós deixamos as configurações utilizadas em cada uma, assim é possível ter uma ideia de como cada uma foi feita. Quanto maior for o tempo de exposição configurado, maior será o efeito “leitoso” da água.

Fotos: Gabriel Camillo - Canon T3i (Cabeçudas, Itajaí - SC)

OBS: Vale lembrar que o uso de um tripé é fundamental, baixas velocidades exigem estabilidade, com cuidado você pode apoiar a câmera em uma pedra também, por exemplo, caso necessário.
O que ocorre aqui é basicamente o mesmo que ocorre no light painting, como o obturador está aberto por um tempo maior, todo percurso que a água corre ficará registrado na imagem.

Foto: Gabriel Camillo - Canon T3i - f/22 - 1.3s - ISO 100
Bom divertimento :)

Outras Notícias
© 2016 Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Ydeal Tecnologia